27/05/2021 às 14:53:49

Como falar sobre falecimentos com as crianças?

Embora seja um tema delicado, a morte pode ser encarada com naturalidade desde a infância, bastando que os adultos abordem a questão de forma clara perante os pequenos.

Como falar sobre falecimentos com as crianças?

De acordo com especialistas em psicologia, as crianças percebem a morte de maneiras distintas conforme a idade e o estágio de desenvolvimento. Antes dos cinco anos, os meninos e meninas podem acreditar que a morte é um acontecimento temporário, não compreendendo o caráter irreversível de um falecimento. 

“É comum, por exemplo, que elas pensem que a pessoa está só dormindo ou viajando e por isso voltará”  — esclarece Débora Moss  — neuropsicóloga mestre pela Universidade de São Paulo (USP).

Para evitar ilusões e interpretações equivocadas, o ideal é explicar à criança o significado da morte, utilizando uma linguagem acessível e verdadeira. Veja, a seguir, algumas dicas de como tratar o tema com os pequenos:

1 - Não use metáforas

Dizer apenas que o vovô foi “morar com o papai do céu” ou “virou estrelinha” pode gerar confusões. Como a criança tem o raciocínio concreto, essas metáforas acabam reforçando a ideia de que o falecido só foi para outro lugar. O mais recomendado é dizer a verdade: “Filho, o vovô morreu. Ele não está mais entre nós. Mas ficarão as lembranças”.  

Se houver questionamentos acerca da morte, basta explicar em uma linguagem que a criança entenda. Você pode, por exemplo, esclarecer que a morte é o fim da vida, relembrando filmes infantis nos quais há o falecimento de um personagem.

2 - Não omita a morte

Aposte sempre no diálogo e evite esconder o falecimento. Se algum ente querido morreu, permita que o pequeno se inteire do fato e participe dos rituais de despedida. 

Não tente omitir a situação, pois a criança consegue perceber o clima póstumo no ambiente e o sentimento de dor dos familiares. O ideal, portanto, é explicar o ocorrido e deixar que o pequeno elabore o luto à sua maneira.

3 - Utilize livros como referência

Histórias literárias podem ajudar no entendimento sobre a morte.  Isto porque, em muitos enredos, a criança compreende com mais facilidade o significado de um falecimento e se identifica com as sensações vividas pelos personagens.

A leitura deve ser feita com delicadeza, podendo ser compartilhada com outras crianças e até adultos. Descubra, abaixo, algumas indicações de livros sobre perda, adoecimento e morte:

  • A operação de Lili   — Rubem Alves

  • O medo da sementinha   — Rubem Alves

  • A história de uma folha  — Leo Buscaglia

  • Cadê meu Avô? — Lídia Izecson de Carvalho

  • Conversando sobre a morte: manual de leitura  — Carla Codani Hisatugo

  • O dia em que o passarinho não cantou  — Luciana Mazorra & Valéria Tinoco

  • Quando seus avós morrem  — Victória Ryan

4 - Procure ajuda de um psicólogo, caso necessário

Algumas crianças podem não assimilar a partida de um ente querido e acabar sofrendo com alterações no sono, mudança de comportamento, perda de apetite e propensão à ansiedade. Nesses casos,  é importante buscar apoio psicológico, de modo a recuperar o bem-estar do pequeno.

Durante as consultas, o psicólogo pode aplicar técnicas de ludoterapia, utilizando desenhos e atividades lúdicas para que a criança expresse seus sentimentos sobre o luto e reverta os sintomas psicossomáticos.

Gostou das dicas? Então, não deixe de acompanhar os próximos conteúdos do nosso blog.